Pesquisa revela que Carlinhos realizou menos cirurgias que Cury

Relatório do DataSUS (Banco de Dados do Sistema Único de Saúde) revela que nos seis primeiros meses do governo Carlinhos Almeida (PT) foram realizadas menos cirurgias e internações do que no mesmo período de 2012, 2011e 2010, quando São José dos Campos era administrada por Eduardo Cury (PSDB). De acordo com os dados do Ministério da Saúde, foram realizadas 14.522 intervenções de saúde no primeiro semestre de 2013, contra 17.394 em 2012, 17.186 em 2011 e 15.198 no ano de 2010. No governo Carlinhos, foram feitas 2.530 cirurgias e internações em janeiro, 2.131 em fevereiro, 1.830 em março, 1.934 em abril, 2.976 em maio e 3.121 em junho. Os números constam dos históricos do SIHD (Sistema de Informação Hospitalar Descentralizado) e AIH (Autorizações para Internação Hospitalar) do Ministério da Saúde.

A demora para marcação de cirurgias, consultas e exames é um dos principais gargalos da rede municipal de saúde nos últimos anos. Na campanha do ano passado ao Paço, Carlinhos prometeu implantar já em janeiro os mutirões para diminuir a fila de cirurgias, mas o programa teve atraso e as primeiras parcerias com as entidades para realização das operações só foram assinadas em março. O governo do PT alega que o número de cirurgias realizadas no primeiro semestre é maior do que o que aparece nos dados do DataSUS. Já moradores de São José que estão na fila de cirurgias há anos continuam reclamando da demora.

O secretário-executivo do Conasems (Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde), José Ênio Servilha Duarte, afirmou que a solução do problema não é fácil. “Por mais que haja um esforço do atual governo em reduzir a fila de cirurgias, este é um processo que não é rápido. Não se resolve um problema como este de um dia para o outro”, disse Duarte. “Temos visto o esforço do atual governo de fazer cirurgias com mais rapidez, mas é preciso reorganizar o sistema e fazer investimentos e parcerias constantes. O Ministério da Saúde tem trabalhado para ampliar os recursos para os municípios, como agora na nova parceria com as Santas Casas”, completou.

Segundo o presidente do PSDB de São José, Anderson Farias Ferreira, a oposição continuará cobrando a promessa de campanha de Carlinhos de reduzir a fila de cirurgias. “O Carlinhos prometeu muito na campanha e disse que rapidamente acabaria com a fila de cirurgias, mas não é isto que estamos vendo. Tanto é que no primeiro semestre seu governo fez menos cirurgias do que no mesmo período dos anos em que o PSDB governava a cidade”, afirmou Ferreira. “O que vemos é que os mutirões de cirurgias não saíram do papel. E a população continua sendo a maior prejudicada”, disse a revisora da Comissão de Saúde da Câmara, Dulce Rita (PSDB). Já o vereador governista Carlinhos Tiaca (PMDB) considera que houve avanços significativos na área de cirurgias. “Pessoas esperando cirurgias há três anos conseguiram as operações, a Santa Casa voltou a ter convênio com a prefeitura e o GAAC entrou no sistema. Então, está bem melhor do que no governo anterior.”

O secretário de Saúde de São José dos Campos, Paulo Roitberg, afirmou que foram realizadas 310 cirurgias pela Santa Casa e pelo GAAC (Grupo de Assistência à Criança com Câncer) que não apareceram no DataSUS. “Também não fizemos mais cirurgias porque até o mês de abril ainda estava havendo assinaturas de convênios e credenciamento dos hospitais. A tendência é de que a partir de agora o número de cirurgias seja maior e consigamos acelerar ainda mais este processo”, afirmou Roitberg. Segundo ele, a prefeitura também pretende fazer parcerias com hospitais particulares para ampliar o número de operações. “Firmamos nova parceria com o governo federal, que vai repassar mais R$ 2,5 milhões para novos mutirões de cirurgias. Desta verba, já recebemos R$ 400 mil e queremos adotar uma tabela que seja ainda mais atrativa para os prestadores de serviço.” Segundo ele, o processo de redução da fila tem que ser constante. “Quanto mais cirurgias fizermos, mais pessoas vão aparecer”.

Moradores de São José dos Campos que aguardam na fila de cirurgias reclamaram da demora para conseguir ter acesso às operações. É o caso do operador de máquinas João Moacir de Miranda, 56 anos, que mora no Galo Branco, na zona leste da cidade, e está esperando há três anos por uma cirurgia no joelho direito. “Não tenho conseguido trabalhar nem andar direito. A mudança de governo não adiantou nada. A demora para cirurgia é muito grande. Já são três anos que estou na fila e não sei nem quando terei meu joelho operado”, afirmou Miranda. A diarista e manicure Antônia da Silva, 41 anos e moradora do Jardim Guimarães, também na zona leste, está insatisfeita com a situação.

Segundo ela, sua sobrinha de apenas 1 ano de idade precisa de uma cirurgia no coração desde que nasceu, mas até agora não há perspectiva de quando a cirurgia será realizada. “Independentemente de ser governo do PSDB ou do PT, a demora para cirurgia da minha sobrinha persiste. Ela precisa desta cirurgia desde que nasceu. Um ano depois, não sabemos quando será realizada”, disse Antônia. “O ideal nunca é esperar, mas quando se é adulto ainda dá para aguentar. Mas uma criança de 1 ano tinha que ser prioridade para cirurgia”, completou. A autônoma Sandra Maria Fernandes Silveira, 52 anos, que mora no Jardim Maringá, na região central, não viu mudanças na área de saúde com a troca de governo. “Não é só a demora para cirurgia. Meu marido está aguardando por uma simples consulta desde 2010.”

Em meio aos problemas da saúde que persistem, como falta de médicos e demora para marcação de consultas e cirurgias, o governo Carlinhos Almeida enfrenta agora ameaça de greve dos servidores do setor devido à aprovação do projeto de lei que garantiu abono para os médicos. Eles vão decidir nos próximos se paralisarão suas atividades. Com apenas sete meses de governo, o prefeito Carlinhos Almeida (PT) foi obrigado a trocar o comando da Secretaria de Saúde. Em 15 de julho último, o então titular da pasta Álvaro Machuca pediu demissão, sendo substituído por Paulo Roitberg, que já havia sido secretário de Saúde no governo Ângela Guadagnin (PT) na década de 90.

Futuro de ex-prefeito pode ser definido na política

Um encontro nesta semana com o governador Geraldo Alckmin (PSDB) deve selar o futuro político d ex-prefeito de São José dos Campos, Eduardo Cury (PSDB). Os tucanos devem se encontrar em São Paulo. Nos bastidores, circula a informação de que o ex-prefeito tem chances de ser convidado a comandar uma das secretarias do Estado.

A pasta de Desenvolvimento Metropolitano seria um dos possíveis destinos. O tucano também pode ser nomeado presidente da CPOS (Companhia Paulista de Obras e Serviços), empresa de economia mista ligada ao governo do Estado.

O atual diretor-presidente da CPOS é Ernesto Aparecido de Albuquerque, nomeado para o cargo pelo então secretário de Planejamento Emanuel Fernandes (PSDB), deputado federal e ex-prefeito de São José. A empresa atua na elaboração de projetos, construções e reformas de prédios públicos do Estado.

Procurado, Cury não foi localizado para comentar o assunto. Ele, que concluiu no dia 31 de dezembro um ciclo de oito anos à frente da Prefeitura de São José, está em férias com a família no Litoral Norte. Mas pessoas ligadas ao tucano admitiram a sondagem de Alckmin.

“Existe um convite para conversar, mas nada de concreto. Ele deve ir a São Paulo esta semana”, disse uma fonte ligada ao ex-prefeito. A possível ida de Cury para o governo do Estado está atrelada à reforma no secretariado promovida por Alckmin de olho nas eleições de 2014.

A primeira mudança foi a transferência do então secretário do Desenvolvimento Metropolitano, Edson Aparecido (PSDB), para a Casa Civil pasta que passou a se dedicar prioritariamente à articulação política do governo. Na semana passada, Alckmin anunciou José Aurichio Jr. (PTB) como novo secretário de Esportes. Aurichio, que já foi prefeito de São Caetano por dois mandatos.

Aliados do governador apontam o nome do ex-prefeito como favorito no cenário político. Entretanto, a pasta ainda seria uma incógnita. “Como o governador Alckmin vai fazer uma reforma no secretariado, o ex-prefeito Eduardo Cury é uma excelente referência. Ele poderia contribuir no Planejamento e também na Secretaria de Desenvolvimento Metropolitano”, disse o deputado estadual Padre Afonso Lobato (PV).

O Vale

Publicado em: 15/01/2013

Carlinhos herda dívidas do ex-prefeito Cury na cidade

O prefeito eleito de São José dos Campos, Carlinhos Almeida (PT), vai herdar do governo comandado por Eduardo Cury (PSDB) uma dívida de pelo menos R$ 160 milhões, correspondente a compromissos de longo prazo. Não estão computados os débitos de curto prazo, que somente serão apurados após o término do ano.

De acordo com a Secretaria Municipal da Fazenda, a dívida de longo prazo é referente a contratos e débitos de governos anteriores. No governo Cury, por exemplo, São José fechou empréstimo com o BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento), no valor de US$ 85 milhões para projetos de mobilidade urbana.

O secretário da Fazenda, José Liberato Júnior, afirmou que os compromissos de longo prazo assumidos pelo município “são modestos e seu total não atinge 9% da receita de um ano”. Este ano, a receita estimada é de R$ 1,730 bilhão.

Já a dívida de curto prazo, que inclui restos a pagar que ficarão para o prefeito eleito, somente será conhecida após o fechamento do exercício financeiro deste ano. “Há recursos suficientes para quitá-la”, garantiu o titular da Fazenda. Liberato afirmou ainda que Cury vai entregar o governo com um pequeno superávit.

“Não será como o verificado em anos anteriores, mas o próximo prefeito vai começar sua gestão com superávit financeiro”, afirmou. No ano passado, foi registrado superávit de R$ 201 milhões, segundo Liberato. O futuro secretário da Fazenda, José Walter Pontes, afirmou que aguarda complementação de informações da pasta para fechar um diagnóstico “com pé no chão”. “Não temos ainda uma conclusão”.

Um dos pontos que preocupa o futuro governo é a queda do índice de participação de São José dos Campos no ‘bolo’ dos recursos do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços). Em 2013, São José terá o menor índice histórico (2,35) de participação desde 1993.

O futuro secretário da Fazenda, José Walter Pontes, afirmou que é preocupante também o município ter caído de posição no ranking estadual do PIB (Produto Interno Bruto). São José era o 2° colocado no ranking em 2000 e passou para 8°, segundo estudo do Seade (Sistema Estadual de Análise de Dados).

“É uma situação que podemos reverter. Trabalho que exige participação da sociedade, em uma iniciativa de empreender e também será necessário organizar a parte da arrecadação do município”, afirmou o futuro secretário.

“Acreditamos que podemos melhorar sem aumentar impostos. É preciso melhorar o desempenho com os recursos que temos”, disse.  De acordo com o atual secretário da Fazenda, José Liberato Júnior, a receita do ICMS deve fechar o ano com uma baixa de R$ 70 milhões.

Até outubro, os recursos do tributo atingiram R$ 552 milhões para uma receita orçada em R$ 735 milhões. O vereador Wagner Balieiro (PT) e coordenador da equipe de transição já afirmou que o novo governo terá que implantar medidas rápidas para recuperar a receita. “Os reflexos no cálculo do índice do ICMS, por exemplo, somente ocorrerão a partir de 2015.”

Na avaliação do futuro titular da Fazenda, o município tem condições e capacidade para firmar convênios estadual e federal. “O município tem baixo nível de captação de recursos nos governos estadual e federal”, disse Pontes.

O Vale

Publicado em: 17/12/2012

Grandes obras da cidade fica nas mãos do novo Prefeito

O prefeito de São José dos Campos, Eduardo Cury (PSDB), planeja deixar encaminhado para o seu sucessor, Carlinhos Almeida (PT), dois megaprojetos viários que serão construídos pelo município em parceria com o BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento). Cury já programou para a próximas semanas a assinatura dos contratos para a elaboração dos projetos executivos e relatório de impacto ambiental para a construção dos corredores viários expressos Cambuí e Banhado.

Essas serão as obras mais caras do pacote de projetos que o município contratou com o BID no valor de US$ 85 milhões (cerca de R$ 170 milhões). A Cambuí tem custo estimado em US$ 58 milhões (cerca de R$ 106 milhões) e a Banhado, US$ 28,1 milhões (cerca de R$ 56,2 milhões). Nesse total já está incluída a contrapartida da prefeitura. Somente para a via Banhado, por exemplo, a prefeitura deverá desembolsar US$ 13,4 milhões (R$ 26,8 milhões). As obras, no entanto, somente vão sair do papel, caso sejam cumpridos os prazos previstos para a elaboração dos projetos, a partir do final de 2013.

A Via Cambuí irá interligar as regiões leste/centro/sudeste. O corredor expresso será construído ao lado do córrego Cambuí e terá aproximadamente 8,4 quilômetros de extensão, a partir do entroncamento com a avenida Juscelino Kubstichek, no Jardim Paulista, próxima à rotatória conhecida como da Itavema, até o bairro do Putim.

O projeto será elaborado pela Viaporte, Projetos e Consultoria de Engenharia S/A, vencedora da licitação para a execução do serviço. A empresa tem prazo de 14 meses para fazer o projeto básico, executivo e licenciamento ambiental, que terá custo de R$ 4,704 milhões. Depois de pronto é que a prefeitura irá licitar a construção do empreendimento. O prazo de execução da obra é de 36 meses.

O corredor expresso do Banhado será o prolongamento da Via Norte até o entroncamento com o complexo viário do Jardim Esplanada e Esplanada do Sol, em direção à região oeste (Urbanova). A via vai ser implantada margeando a orla do Banhado, no leito da antiga estrada de ferro Central do Brasil.

A nova avenida terá 3.680 metros de extensão, terá quatro pistas, duas em cada sentido, canteiro central, ciclovia e calçadas laterais. As pistas terão em torno de 3,5 metros de largura. Mesmas configurações terá o corredor expresso Cambuí.

O projeto da nova avenida será elaborado pelo consórcio Planservi-Cobrape, pelo preço de R$ 3,933 milhões. O prazo de conclusão é de um ano e meio, segundo a Secretaria Municipal de Transporte.
Depois o projeto será licitado e a obra tem prazo de conclusão de 18 meses.

O prefeito Eduardo Cury disse que esses corredores viários são fundamentais para melhorar o trânsito urbano. “A Via Cambuí vai permitir a construção também da Via Leste e ajudará a desafogar o trânsito urbano na Via Dutra”, relatou o prefeito. Já o corredor Banhado vai aliviar o trânsito em artérias como a avenida São João.

O Vale

Publicado em: 16/11/2012

Aumento das passagens está nas mãos de Carlinhos

O prefeito de São José dos Campos, Eduardo Cury (PSDB), vai deixar a decisão sobre o aumento da passagem de ônibus para o governo Carlinhos Almeida (PT). Hoje, a tarifa custa R$ 2,80. Ontem, o secretário de Transportes Anderson Farias disse que administração municipal vai elaborar um estudo sobre o custo do sistema em dezembro, e que esse levantamento poderá apontar a necessidade de alteração no valor da tarifa.

O último reajuste da passagem ocorreu em janeiro de 2011, quando subiu de R$ 2,50 para os atuais R$ 2,80. “Independentemente da empresa pedir ou não reajuste, todos os anos nós fazemos o cálculo da tarifa. É regra de contrato analisar o custo operacional das empresas, os gastos com diesel, quadro de funcionários e a quantidade de passageiros transportados por quilômetro quadrado”, disse.

Segundo Ferreira, “não houve necessidade de reajuste” até o momento. “Fazemos esse cálculo do custo operacional periodicamente. O estudo será feito em dezembro e poderá ficar para o próximo [prefeito] a gestão de uma discussão sobre a revisão”, afirmou.

Os contratos das três de concessão das três empresas que exploram atualmente o sistema Expresso Maringá, Júlio Simões e Saens Peña libera a revisão anual da tarifa, mas não obriga. O secretário de Transportes informou que o resultado da análise técnica poderá indicar necessidade de aumento, redução ou até de manutenção do valor da tarifa.

Em janeiro deste ano, as três empresas que operam o sistema pediram à prefeitura um aumento de 7,2% no valor da tarifa do ônibus. Com o reajuste, o preço da passagem passaria para R$ 3. O pedido gerou uma série de protestos da na cidade e acabou sendo negado pelo prefeito Eduardo Cury. Na época, o governo do PSDB informou que estudos apontaram que não havia necessidade de aumento, mas não os detalhou.

Ferreira reconheceu o desequilíbrio financeiro da Saens Peña, que teria chegado a operar com 8% de déficit. “Não houve pedido de aumento de tarifa. O que houve foi um pedido da Saens Peña de reequilíbrio contratual em relação ao número de linhas que estava operando e ao número de passageiros”, disse.

Segundo ele, a criação das linhas 142 (Corredor Sul 2) e 140 (Corredor Norte 1), além do aumento de viagens na linha 331 (Campo dos Alemães/Aquarius) contribuiram para o reequilíbrio. A Saens Peña opera atualmente 34 linhas.

O prefeito eleito Carlinhos Almeida não comentou o caso. Por meio de sua assessoria, ele informou que irá tratar do assunto só após sua posse. “Essa questão será avaliada no momento oportuno, após a posse, em janeiro. Vamos utilizar critérios técnicos, jurídicos e sociais antes de qualquer decisão”, disse.

O Vale

Publicado em: 09/11/2012

Obras da cidade é congelada pelo ex-prefeito

Após debandada da base governista, o prefeito de São José Eduardo Cury (PSDB) ‘congelou’ a liberação de obras e serviços em redutos de ex- aliados. O suposto corte seria consequência do alinhamento de alguns parlamentares ao prefeito eleito, Carlinhos Almeida (PT). Dez parlamentares já oficializaram apoio ao petista. O governo nega paralisação de obras e serviços em São José e afirma que não há alterações no cronograma pré-estabelecido.

A lista de obras congeladas inclui cobertura de quadras, construção de vestiários e academias ao ar livre, urbanização de praças, sinalizações de vias e até apoio público em festas do calendário oficial. Obras de contenção de enchentes e a implantação de semáforos completam o pacote. “Existem obras licitadas, mas que ainda não foram dadas as ordens de serviço. Os moradores do Jardim São Vicente estão esperando pela cobertura da quadra”, disse Walter Hayashi, do PSB primeira legenda a anunciar apoio ao petista Carlinhos Almeida.

A restrição de recursos também afetaria vereadores que não foram reeleitos. João Tampão (PTB) espera pela construção do Centro de Exposição Agropecuária e Comercial de São José. “Esse é um compromisso do governo, que vem sendo adiado desde 2009. São José tem necessidade de ter um espaço como esse. São José não possui um local adequado para esse tipo de atividade”.

O apoio oficial à “Festa do Nordestino” foi barrado pelo tucano sob o argumento de que a prefeitura enfrenta restrições no período eleitoral. Patrocinada pelo Poder Público há três anos, a festa realizada na segunda quinzena do mês de novembro no Novo Horizonte, corre o risco de não acontecer. A festa recebeu 30 mil pessoas em 2012.

“Essa festa está no calendário oficial do município. A prefeitura diz que não pode fazer a festa em ano de eleição, mas outras festas oficiais como a do 1º de Maio foram realizadas na cidade”, disse o vereador eleito Roberto do Eleven (PP). Apadrinhada por Alexandre da Farmácia (PP), a festa é promovida pelo vereador Roberto do Eleven. O PP é um dos partidos em negociação com o prefeito eleito, Carlinhos Almeida.

O congelamento das obras e o novo alinhamento político da Câmara provoca uma ruptura no modelo de relacionamento entre os poderes Legislativo e Executivo. Cury sempre teve o apoio de 17 dos 21 vereadores e sofreu duas derrotas na última semana na Câmara. A bancada de apoio do tucano se recusou a aprovar a permuta de uma área no Parque Industrial por uma área particular próxima ao viaduto da Kanebo. O projeto teve de ser adiado por uma semana.

A mesma bancada aprovou por unanimidade projeto do vereador Wagner Balieiro (PT) que torna obrigatória a divulgação da lista de espera por atendimento na habitação, um dos gargalos tucanos. Em São José, cada vereador da base governista tem direito a uma cota anual de R$ 800 mil em emendas que são destinadas para a construção de poliesportivos, cobertura de quadras, urbanização de praças e a instalação de academias ao ar livre.

As emendas não são apresentadas durante o orçamento, mas acordadas com o governo. O sistema de cotas foi criado na gestão do ex-prefeito Emanuel Fernandes como um instrumento para garantir o apoio dos parlamentares aos projetos do governo.

O Vale
Imagem: Uol

Publicado em: 29/10/2012

Cury pode fazer parte do governo de Alckmin

Presidente da Região Metropolitana do Vale do Paraíba e prefeito de São José dos Campos, maior cidade da região, Eduardo Cury (PSDB) já aparece como um dos cotados para assumir um cargo no governo estadual após deixar a prefeitura em 2013.

Cury, juntamente com os prefeitos tucanos de Piracicaba, Barjas Negri, e de Sorocaba, Vitor Lippi, integram a lista de aliados políticos que o governador Geraldo Alckmin (PSDB) deve recrutar para o seu governo. Segundo informações divulgadas pela imprensa, Alckmin planeja implementar uma reformulação no seu secretariado após o segundo turno da eleição para prefeito, que será realizado neste domingo.

A reformulação deve ser iniciada em novembro, com base no mapa eleitoral desenhado pelas urnas, com vistas para 2014, quando Alckmin pode tentar se reeleger. O presidente estadual do PSDB, Pedro Tobias, disse ontem que ainda é “muito cedo” para se falar no assunto, mas admite que os três prefeitos têm condições de assumir postos no primeiro escalão de Alckmin.

“Os prefeitos têm boas avaliações de governo e podem perfeitamente ser aproveitados mas vamos, primeiro, esperar as eleições”, disse Tobias. Embora tenha evitado mencionar a possibilidade de Cury ser convidado por Alckmin, o deputado federal Emanuel Fernandes (PSDB), padrinho político de Cury, disse que o tucano é “uma liderança do quadro do PSDB e pode servir ao partido tanto no plano estadual como nacional”.

Coordenador regional do partido, Francisco de Assis Vieira Filho, o Chesco, disse que torce para que Cury seja chamado para compor o primeiro escalão de Alckmin. Segundo ele, a eventual presença de Cury no governo Alckmin significará força política para a região. “Nossa região precisa estar bem representada. Cury fez governo ético durante oito anos e tem todas as condições para assumir um cargo no Estado.”

Para Chesco, o deputado Emanuel Fernandes também reúne todas as condições para voltar a ocupar um cargo no governo do Estado. “Emanuel já foi secretário em duas ocasiões e continua sendo uma liderança.” Em nota, Cury disse que seu primeiro plano é retornar à sua empresa metalúrgica, que completou 26 anos de atividades. “Meu futuro político será consequência de uma reflexão junto com minha família, meu partido e, principalmente, com a população”.

O Vale

Publicado em: 24/10/2012

Ex- Prefeito prepara relátorio de transição da Prefeitura

Após fechar acordo sobre a transição de governo, o prefeito de São José, Eduardo Cury (PSDB), solicitou aos 17 secretários municipais o mapeamento de projetos, obras e investimentos em andamento e previstos para o próximo ano já embutidos no orçamento de 2013.

O balanço solicitado pelo tucano vai embasar relatório que será entregue ao prefeito eleito, Carlinhos Almeida (PT), na segunda quinzena de novembro. O pedido foi feito na última segunda-feira durante a reunião do secretariado. Essa é a primeira ação concreta de Cury para iniciar o levantamento de dados para o próximo prefeito.

O governo não comentou o assunto. Por meio da assessoria, informou que anualmente realiza o balanço das ações, mas admitiu que os dados solicitados poderão ser utilizados no relatório final da administração.  A 74 dias do final do governo Cury, o secretariado já iniciou o levantamento dos dados.

O secretário de Meio Ambiente, André Miragaia, afirmou que o levantamento da pasta está em processo de conclusão.  Segundo ele, foram listados projetos em andamento e os que devem ser implantados em 2013, como o Parque do Banhado, que prevê o reassentamento de 281 famílias, a aquisição de áreas e o plano de manejo da área.

A lista inclui ainda o borboletário do Parque da Cidade e a ampliação dos PEVs (Pontos de Entrega Voluntária) três novos estão em licitação no Jardim Copacabana, Vista Verde e Castanheira. “Outro projeto que estamos concluindo é o de pagamento por serviços ambientais”, disse Miragaia.

No esporte, o prefeito eleito Carlinhos Almeida terá que dar continuidade à obra de construção da Arena.  O orçamento da pasta para o próximo ano, fixado em R$ 58 milhões, já prevê recursos para a conclusão da obra. “A arena vai ser finalizada na próxima gestão, assim como a reforma da Casa do Jovem e uma nova quadra no Nova Flórida também estão em andamento”, disse o secretário de Esportes, Sérgio Theodoro.

O coordenador do processo de transição petista, Wagner Balieiro, pretende entrar em contato com a administração para passar uma relação das informações necessárias. “Ainda não há clareza sobre o documento que será encaminhado pelo governo, mas são esperadas informações técnicas como o comprometimento financeiro de cada pasta, a relação de patrimônios como veículos, a relação dos convênios e suas respectivas datas, além do organograma de cada secretaria”, disse.

O Vale

Publicado em: 19/10/2012

Projeto da Terméletrica é congelado na cidade

A menos de três meses do final do mandato, o prefeito Eduardo Cury (PSDB) não conseguirá viabilizar seu maior projeto financeiramente falando: a URE (Unidade de Recuperação Energética), que envolve processo de queima de lixo (termelétrica).

Controverso, o assunto vem sendo debatido em São José desde maio do ano passado, sem consenso. Com isso em mente e pensando em evitar mais desgastes, os vereadores descartam aprovar o projeto da URE neste ano, mesmo com o prefeito afirmando que “o projeto está amadurecido e poderia ser votado”.

Mesmo os vereadores que compõem a base governista de Cury na Câmara admitem que o projeto não será levado à pauta neste ano. “Foi uma eleição diferente neste ano. Seria muito polêmico colocar este assunto em pauta no fim do ano. É de suma importância a usina e sou favorável, mas temos que ter maior tempo de discussão e a participação da população. Isso não é possível ainda neste ano”, afirmou o líder do governo na Câmara, Fernando Petiti.

Apesar de defender a aprovação do projeto, Cury garante que não interferirá nos trabalhos do Legislativo. O projeto da URE, orçado em R$ 200 milhões, é a solução apresentada pelo tucano para a disposição do lixo em São José.

A partir de mecanismos modernos, a proposta é que a usina separe o lixo coletado, aumentando os índices de reciclagem, e queime outra parte do lixo, o que viabilizaria financeiramente o projeto, já que o processo térmico produziria energia suficiente para atender 200 mil pessoas.

Para tanto, o projeto precisa passar pelo aval da Câmara, já que a Lei Orgânica do Município não permite a comercialização de energia elétrica nos índices propostas para a URE. Aprovada pela Cetesb e pelo governo do Estado, a termelétrica é questionada por ambientalistas.

Para eles, a prefeitura deveria implantar mecanismos de redução de consumo e aumento da reciclagem antes de estudar uma termelétrica. O governo Cury defende que o projeto aumentará a reciclagem e que, além disso, o aterro municipal possui apenas mais 12 anos de vida, fazendo-se necessária a discussão de uma nova solução ao lixo. O governo afirmou que o projeto continua em consulta pública e que não tem pressa para finalizar o processo.

O Vale

Publicado em: 18/10/2012

Ex-Prefeito se encontra com novo Prefeito para transição

O prefeito eleito de São José dos Campos, Carlinhos Almeida (PT), se reuniu ontem com o prefeito Eduardo Cury (PSDB) para estabelecer as diretrizes do processo de transição de governo. Foi o primeiro encontro entre Carlinhos e Cury após a eleição do último dia 7. A reunião reservada entre os dois ocorreu no Paço Municipal das 17hàs 17h40.

Foi definido que, na segunda quinzena de novembro, a atual administração entregará um relatório detalhado à equipe do prefeito eleito. “Ficou acertado, de comum acordo, que a atual administração vai elaborar um relatório até meados de novembro. Tendo esse documento como base, técnicos e assessores indicados por ambas as partes realizarão encontros para realizar a transição”, disse Carlinhos, por meio de sua assessoria.

O petista também cumprimentou Cury pela disposição em realizar a transição de governo com “a máxima transparência”. O prefeito Eduardo Cury cumprimentou Carlinhos Almeida pelo resultado da eleição e reiterou que sua equipe “prestará todas as informações necessárias ao novo governo, para que a transição seja tranquila e não prejudique o bom andamento da administração na cidade”, segundo nota divulgada por sua assessoria de imprensa

O vereador reeleito Wagner Balieiro (PT) vai conduzir os trabalhos da equipe de transição de Carlinhos, atuando como interlocutor junto ao governo Eduardo Cury. Coordenador da vitoriosa campanha do prefeito eleito, Balieiro foi o responsável pelo prime]iro contato entre petistas e tucanos.

Segundo ele, é importante que o prefeito eleito tenha acesso a informações da atual administração para garantir a manutenção do planejamento da prefeitura, dos projetos e programas existentes. Diagnósticos sobre o comprometimento financeiro e a capacidade de investimento da administração municipal também “serão fundamentais para o início da próxima gestão”, segundo Balieiro.

A equipe de técnicos que irá analisar os dados da prefeitura ainda será definida, afirmou Balieiro. “Iremos preparar um diagnóstico da cidade e quando obtivermos os dados da Prefeitura poderemos cruzar as informações que irão se complementar”, disse. O diagnóstico da área da saúde já foi iniciado pelo vice-prefeito eleito, Itamar Coppio (PMDB). Com a ajuda de médicos na rede, ele está levantando dados sobre as principais demandas da rede e quais os casos graves. O vice também está mapeando os hospitais que podem ser parceiros da prefeitura na ampliação de consultas, exames e cirurgias.

O Vale

Publicado em: 16/10/2012