Obras da Avenida Guadalupe será liberada em 45 dias

A secretaria de Obras de São José deve liberar em 45 dias o trânsito avenida Guadalupe, no Jardim Satélite, zona sul da cidade. As obras de recuperação da ponte – que começaram ontem – estão sendo realizadas em caráter emergencial. Segundo a prefeitura, o trabalho será realizado pela empresa Copav Construtora e Pavimentadora Ltda. e está orçado em R$ 443.737,14.

A reforma da ponte, cuja estrutura da cabeceira ficou comprometida com a enchente do córrego Senhorinha no último dia 22, ocorrerá em duas etapas. A primeira delas será o estaqueamento da ponte. Na sequência, será feita a contenção do córrego. “A capacidade da ponte será aumentada, o que irá ampliar a vazão do rio e evitar novos desmoronamentos”, informou em nota oficial a secretária de Obras, Soraya de Paula Rosário.

A ponte da avenida Guadalupe ficou comprometida após a forte chuva do em 22de março. O temporal elevou o nível do córrego Senhorinha em seis metros e comprometeu parte da estrutura da cabeceira da ponte. A Sabesp realizou uma obra emergencial na rede de abastecimento para garantir que não falte água para a população da região. Já a prefeitura fez uma limpeza ao redor do córrego para a retirada de entulho.

Apenas pessoas e motos podem circular sobre a via. Automóveis devem evitar a área. Ônibus estão fazendo um novo caminho. Segundo a prefeitura, o trânsito no entorno da Guadalupe está sendo monitorado diariamente por agentes para evitar a ocorrência de congestionamentos.

Outras três pontes, além da Guadalupe, têm apresentado sinais de erosão em São José. Na Maurício Cardoso, no Jardim Oriente, um trecho da parede lateral do córrego Senhorinha desabou. A via parece não ter sido afetada. Já na Shigemasa Ota, no Jardim Terras do Sul, uma faixa de grama rente à ponte cedeu, formando um buraco de cerca de um metro de profundidade. Na Frei Galvão, um buraco foi aberto no terreno que fica ao lado da parede de sustentação do viaduto. Segundo a prefeitura, uma equipe está sendo formada para vistoriar as pontes da cidade.

A demora da Prefeitura de São José na conclusão das obras e liberação do tráfego na ponte da avenida Guadalupe atrapalha a vida de comerciantes locais, que reclamam de prejuízos. Os mais afetados são aqueles que dependem do tráfego de automóveis no local. Esse é o caso do funileiro Valter de Santana, 51 anos, proprietário de uma oficina.

Santana disse que a demanda por serviço caiu tanto que foi obrigado a dispensar funcionários. “Tive de dispensar dois funcionários. Não tinha mais serviço para eles. Como não sei quando ficará pronta a via, não pude mantê-los aqui”, afirmou Santana.

Segundo ele, aos sábados, quando o movimento de clientes era maior, a funilaria chegava a fazer até oito orçamentos. No último dia 6, nenhum carro entrou no estabelecimento. “É complicado porque tenho de pagar o fornecedor de peças e funcionários. Além disso, tenho a minha casa. Preciso pagar pensão, fazer compras e pagar as contas”, afirmou o funileiro.

Quem mora na região também reclama. “Passo por aqui todos os dias, levei um susto quando vi o estrago que a chuva fez. A prefeitura tem de agir logo, antes que novas chuvas acabem com o que restou”, afirmou a babá Katia Santos, 48 anos. Segundo ela, São José está como um “pão bolorento”. “Por fora a cidade é linda. Quem transitava por aqui não via qualquer problema com a avenida Guadalupe. No entanto, em torno dela havia diversos problemas estruturais.”

O Vale

Publicado em: 11/04/2013

Obras do viaduto Talim estão concluídas, mais não liberadas

Motoristas e moradores do Jardim Satélite e da Vila Nair, na zona sul de São José, reclamam do atraso na liberação do acesso sul do viaduto Talim. No local há quatro blocos de concreto que impedem a passagem de veículos. O acesso sul ligará bairros das proximidades da rodovia dos Tamoios, como Vila Nair, Jardim Aeroporto e São Bento, à zona sul da cidade, sem a necessidade de usar o Anel Viário.

A Secretaria de Transportes informou que o atraso se dá por uma casa próxima que ainda não foi desapropriada.  O mecânico Elias Marques da Cunha, 49 anos, leva cerca de 15 minutos para voltar de sua oficina, no Jardim Aeroporto, para a sua residência, no Jardim Satélite.

“Com a liberação do acesso eu levaria uns 7 minutos. A obra já foi concluída, só falta tirar os obstáculos”, disse.
O comerciante José Eduardo Soares, 47 anos, enfrenta o mesmo problema. Ele leva de 15 a 20 minutos para ir do seu trabalho, no Jardim São Dimas, na região central, para a sua casa no Floradas São José, na zona sul.

“Pegar o Anel Viário em horário de pico é inviável. Com o acesso conseguiria usar o tempo no trânsito em outras atividades”, afirmou. Segundo a Secretaria de Transportes o acesso seria entregue em dezembro de 2011, mas os trabalhos não foram concluídos devido a uma família que continua na área. Assim que forem transferidos para um programa habitacional o acesso será liberado. Para as obra do viaduto, outras 5 casas foram deslocadas.

O Vale

Vunesp libera hoje gabarito do concurso de São José

A Vunesp libera hoje, a partir das 12h, o gabarito da prova da primeira etapa do concurso público da Prefeitura de São José, que oferece 280 vagas. As respostas da prova, realizada anteontem, podem ser conferidas nos sites da Vunesp (www.vunesp.com.br) e da Prefeitura de São José (www.sjc.sp.gov.br).

No total, 34.475 pessoas se inscreveram no processo seletivo, sendo que 23.417 participaram da primeira etapa. Desses, 5.656 não compareceram abstenção de 24,15%. Os outros 11.058 candidatos vão fazer a prova no próximo dia 15. A prefeitura considera o índice de abstenção normal para concursos públicos e sustenta que foram registrados poucos casos de pessoas que chegaram atrasadas e que foram barradas por conta do horário.

O cargo mais procurado foi assistente de gestão municipal, com 13.442 candidatos, seguido por gestor público, com 3.346, e agente de serviços gerais, com 2.823. “Estudei bastante. Então, achei a prova fácil. Estou ansiosa pelo gabarito”, disse a dona de casa Raquel Strautmann Ramos, de 34 anos, que é de São e concorre ao cargo de assistente de gestão municipal.

O Vale

Acesso da Dutra próximo á PIB é liberado depois de 8 meses

A liberação do acesso à marginal da via Dutra em frente à PIB (Primeira Igreja Batista), no km 150, em São José dos Campos, foi realizada na noite de ontem.

O acesso ficou fechado por oito meses para as obras de alargamento da avenida Jorge Zarur (marginal do Vidoca), na zona sul. A liberação da pista estava prevista inicialmente para acontecer em agosto. No início do mês, a prefeitura chegou a anunciar a liberação para o último domingo, dia 18, mas foi adiada para ontem.

O acesso é utilizado principalmente por moradores que estão na região central, como Jardim Paulista, e desejam acessar a zona sul. Desde o fechamento da entrada, eles foram obrigados a utilizar caminhos mais longos pelo centro da cidade.

A NovaDutra chegou a cogitar o fechamento em definitivo, transformando o antigo acesso em terceira faixa da marginal, mas suspendeu a ideia. Desde quarta-feira, a marginal é fechada todas as noites das 22h às 5h, para mudança de sinalização e liberação do acesso.

Com a conclusão das obras dos viadutos, a pista marginal voltou a ter duas pistas e um acostamento. No trecho de São José, a Dutra recebe mais de 130 mil veículos por dia. Com as obras de alargamento, a Jorge Zarur ganhou cinco novas faixas de rolamento, sendo cinco faixas sentido zona sul e quatro sentido centro.

O Vale

Viaduto Talim

A Prefeitura de São José dos Campos terá que melhorar a sinalização na pista sul do viaduto Talim, sobre a avenida Mário Covas, na região sul, liberada ontem ao tráfego. A avaliação é de Ronaldo Garcia, engenheiro e especialista em trânsito.

A convite de O VALE, o especialista percorreu ontem a pista e constatou serem necessárias algumas intervenções para orientar o motorista que quiser acessar a nova pista em direção ao Jardim Satélite.

Ele observou que foram instaladas placas indicando a nova pista, mas recomendou reforçar a sinalização quanto à velocidade permitida na alça de acesso ao viaduto Talim. Garcia observou também que não há placa indicando a velocidade permitida na entrada da alça. A placa indicativa de velocidade está poucos metros adiante do acesso à alça da nova pista do viaduto.

Garcia sugeriu ainda a implantação de sinalização de solo indicando a velocidade permitida para melhor a visualização do motorista. O especialista também recomendou a colocação de placas indicativas de velocidade na alça e no viaduto, como reforço de orientação ao motorista.

O engenheiro recomendou a colocação de sinalização indicativa de ciclovia e de passeio sobre o viaduto. Por enquanto, a ciclovia está fechada. Para Garcia, o ideal é que as alças tivessem curvatura mais ampla. “Para isso, seria necessário fazer desapropriações, porque a área em que o viaduto e a alças foram construídos não permite acessos mais amplos”, disse o engenheiro.

O secretário municipal de Transportes, Anderson Farias Ferreira, informou ontem que a pasta irá fazer ajustes na sinalização nos próximos dias. O secretário pontuou que, a partir da próxima segunda-feira, será realizada contagem de veículos no local para identificar o comportamento do motorista.

A pista sul do Talim começou a ser construída no ano passado e permite a ligação da rodovia dos Tamoios e avenida Octávio Frias de Oliveira (extensão da Mário Covas) à região do Satélite.

Saiba mais

Pista Sul
Ligação da Tamoios e avenida Mário Covas à região do Jardim Satélite, zona sul

Abertura
A nova pista foi aberta ontem ao tráfego de veículos

Sinalização
A Secretaria Municipal de Transportes fará ajustes na sinalização da nova pista do viaduto Talim

Previsão
A pasta avalia que a nova pista deve ter fluxo diário de pelo menos 2.000 veículos/dia

O Vale