Começa alistamento militar para jovens que completam 18 anos

[sinopse datas=”true” imprensa=”4″]

Jovens que completam 18 anos até dezembro têm até 30 de junho para se apresentar à Junta de Serviço Militar, na Vila Industrial, para o alistamento do serviço militar. O funcionamento é de segunda a sexta-feira, das 7h às 12h30.

Na primeira semana deste ano foram 360 alistamentos. A estimativa para o final do prazo legal, em 30 de junho, é de 6 mil.
Para se alistar, os jovens nascidos em 1999 devem levar certidão de nascimento ou outro documento de identidade (RG, carteira de motorista ou de trabalho), comprovante de residência e uma foto recente no tamanho 3 por 4 (não são aceitas fotos com camisa de time e regata).

O alistamento é obrigatório. E o descumprimento pode acarretar contratempos, como impedimento para retirar passaporte, ingressar no serviço público ou em empresa privada. Além disso, há previsão de multa, cujo valor varia conforme o tempo de atraso do candidato.

Aqueles que perderem o prazo de alistamento só poderão participar da seleção no ano que vem, para incorporação em 2019. A Junta de Serviço Militar de São José dos Campos fica na Rua Saigiro Nakamura, 500, Vila Industrial. Informações pelo telefone 3912-3422.

Após a inscrição, o jovem recebe o certificado de alistamento militar, com a indicação de data para participar da seleção geral, a ser organizada entre julho e outubro. Quem for escolhido ingressará no Tiro de Guerra em 2018. Já os que forem dispensados (a maior parte por excesso de contingente) se tornam parte da reserva das Forças Armadas.

O recruta passa por uma formação militar básica e depois se especializa em determinada área. Ao final de um ano de serviço, o interessado em seguir carreira militar deve se submeter a nova seleção, podendo permanecer em serviço por mais sete anos.

Duas grandes empresas da cidade fecham contrato

Duas empresas controladas pela Embraer Defesa e Segurança – Savis Tecnologia e Sistemas S/A e OrbiSat Indústria e Aerolevantamento S/A – e que formam o consórcio Tepro, assinaram contrato de R$ 839 milhões com o Exército Brasileiro para o início da primeira fase do Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras (Sisfron).

A fase inicial do Sisfron vai monitorar aproximadamente 650 quilômetros de fronteira terrestre na faixa que acompanha a divisa do Mato Grosso do Sul com o Paraguai e com a Bolívia. Segundo a Embraer, o sistema compreende a vigilância e proteção das fronteiras terrestres do país em uma faixa de 16.886 quilômetros que separa o Brasil de 11 países vizinhos e se estende por dez estados e 27% do território nacional.

No comunicado enviado à imprensa nesta segunda-feira (26), o presidente da Savis, Marcus Tollendal, diz que a pretensão da empresa é entregar o sistema ao Exército e no futuro exportar o modelo.

Consórcio Tepro
A Savis, empresa da Embraer Defesa e Segurança, foi criada para atuar na gestão integrada de projetos de monitoramento e controle de fronteiras, estruturas estratégicas e recursos naturais. A OrbiSat Indústria e Aerolevantamento S/A é uma empresa brasileira de base tecnológica, especializada em sensoriamento remoto e radares de vigilância aérea e terrestre, com centros tecnológicos e comerciais em Campinas e São José dos Campos.

G1 (Vnews)

Publicado em: 27/11/2012

Contrato assinado entre Avibras e o Exército na cidade

A Avibras, com unidades em São José dos Campos e Jacareí, vai assinar contrato em março com o Exército brasileiro para a produção do Astros 2020 e pretende em maio recontratar 120 funcionários demitidos na crise do ano passado, quando 170 foram dispensados. Os demais já foram readmitidos no final do ano. Além disso, segundo a empresa, outros 100 podem ser contratados para a retomada da produção bélica na indústria ao longo do ano.

O presidente da Avibras, Sami Hassuani, salientou que, apesar de ainda não ter recebido verbas referentes ao Astros 2020, iniciou a recontratação dos demitidos para adiantar a implantação do programa. “Emprestamos dinheiro, usamos o que tínhamos para adiantar esse processo de contratação. Acredito que o programa comece a ser implementado em maio”, disse.

A estimativa do executivo é que a primeira parcela do Astros 2020 seja de R$ 200 milhões. A média anual de recursos liberados para o projeto é de R$ 250 milhões para os próximos oito anos. Mais do que reerguer a empresa, Hassuani acredita que a contratação do Astros 2020 pelo Exército brasileiro deva estimular a venda para outros países, uma das metas da Avibras para 2012.

“Este ano, precisamos exportar. O Astros 2020 é um programa que irá gerar produto por uma década e essa compra do exército brasileiro é fundamental”, disse. Especialistas da indústria bélica afirmam que, durante negociações para compra de sistemas de segurança, uma das primeiras perguntas feitas à empresa é: “o seu país usa este sistema?”

“A aprovação da MP da Defesa é a prova de que o governo quer ajudar. Sozinha, a empresa não faz nada”, disse. O governo também estuda capitalizar entre R$ 150 milhões e R$ 200 milhões referentes a parte da dívida da Avibras em ações da União na própria empresa.

O projeto tramita há três anos nos ministérios da Fazenda, Defesa, Casa Civil, Desenvolvimento e não tem prazo para ser aprovado. “Da última vez, estimei seis meses e já se passou um ano e meio.”

O Vale