Avenida Andrômeda é considera perigosa segundo rank

A avenida Andrômeda, na zona sul de São José dos Campos, é via mais perigosa da cidade, de acordo com ranking popular realizado na última semana por O VALE com motoristas e pedestres. A vida de quem circula pela avenida é complicada diariamente por problemas que incluem o trânsito travado pelo excesso de veículos, má conservação do asfalto e o estreitamento da faixa destinada aos ônibus.

Para o motorista de ônibus Walter Machado Ribeiro, 33 anos, o pavimento irregular e os buracos estão entre os maiores problemas da Andrômeda. “Parece que estamos num liquidificador. Trepida muito.” Na vice-liderança do ranking popular está a avenida São João, na região central de São José. O congestionamento nos horários de pico é a principal reclamação dos moradores ouvidos na enquete. “No fim da tarde é quase impossível andar na São João. É muito carro pra pouco espaço”, disse o mecânico montador Carlos Alberto dos Santos, 42 anos.

O estreitamento da pista é a queixa mais destacada pelos motoristas e pedestres em relação à terceira colocada no ranking, a avenida São José, também na região central. Entre os trechos considerados mais críticos da via está a curva do S, nas proximidades da orla do Banhado. “Ali perto da curva do S é que a coisa fica pior, quase não tem espaço pra gente e os carros juntos”, afirmou o motorista de ônibus Albertino Nunes, 35 anos.

Em linhas gerais, o grande volume de tráfego pelas ruas e avenidas de São José foi uma reclamação da maioria dos entrevistados. “É muito carro pra muita rua estreita”, disse o taxista Sebastião Cavalcanti, o ‘Paraíba’, 73 anos. São José conta hoje com mais de 352 mil veículos e, em média, 6,5 milhões de passageiros são transportados mensalmente pelos ônibus. O sistema é operado atualmente por três empresas. Também trabalham na cidade 359 taxistas.

A Secretaria de Transportes de São José informou que já iniciou um recapeamento na avenida Andrômeda. A secretaria reconheceu os problemas provocados pelas vias estreitas e excesso de veículos. Para definir o ranking das avenida e ruas mais perigosas de São José, O VALE conversou com 10 motoristas e cinco pedestres. A eles foi pedida uma lista com cinco indicações das vias mais críticas.

O Vale

Imagem: Flickr Murilo

Prefeitura inicia obras de recapeamento na cidade

A Prefeitura de São José deu início ontem às obras de recapeamento do último trecho da avenida Andrômeda, próximo a rotatória do Sesi (Serviço Social da Indústria), na zona sul. O serviço abrange um trecho de 1,5 quilômetro da via, que hoje é de paralelepípedo o que prejudica o fluxo. A obra deve ser concluída no início de agosto.

A pavimentação, vai custar R$ 1,9 milhão dos cofres da prefeitura, já que o governo federal não liberou a verba que havia sido pleiteada pelo ex-prefeito Emanuel Fernandes (PSDB) por meio de uma emenda. Além do novo asfalto, a obre prevê mudanças nas rotatórias em frente à Paróquia Coração de Jesus e ao do Hospital Próvisão.

Paulo Guimarães, diretor da Secretaria de Transportes, afirmou que a rotatória em frente à igreja será realocada e em frente ao Próvisão será aberto mais duas possibilidades de retorno sem que o motorista tenha necessidade de passar pelo semáforo.

“A Andrômeda é o maior corretor viário daquela região. A pavimentação vai aumentar o conforto dos motoristas e aumentar a velocidade do transporte coletivo”, disse. Segundo ele, outra melhoria será na sinalização de solo, que hoje é prejudicada pelos paralelepípedos. “No asfalto, a durabilidade da sinalização é maior”, afirmou.

Os motoristas precisam ficar atentos. A obra deve gerar um impacto no trânsito, mas para minimizar a complicação, o fluxo continuará em meia pista. Para isso, a prefeitura informou que o recapeamento será feito em etapas. Na primeira etapa, será realizada a pavimentação no trecho sentido bairro com a colocação de guias e sarjetas em meia pista.

Após o asfaltamento, serão iniciadas as obras na outra pista. Na segunda etapa, será colocado asfaltado na faixa sentido centro. A orientação da Secretaria de Transportes é para os motoristas diminuírem a velocidade próximo ao trecho das obras e redobrem a atenção. De acordo com a pasta, a área da obra está sinalizada.

O Vale

Avenida Andrômeda vira corredor comercial na cidade

A ACI (Associação Comercial e Industrial) de São José dos Campos lança nesta semana a campanha ‘Andrômeda Mais’, que visa fomentar o movimento do maior corredor comercial da zona sul da cidade.

A entidade busca repetir a ação feita na avenida Adhemar de Barros, primeira via a receber a campanha do programa ‘Fala Empresário’, com a realização de promoções, material gráfico e treinamento para funcionários.
A ACI tem hoje 70 associados na Andrômeda. Para realizar a campanha, a meta da entidade é aumentar esse número para 200, dentre o universo de 1.000 lojistas da via.

Nos próximos dias, funcionários da entidade percorrerão o comércio da avenida para apresentar o projeto. “Estamos juntando o material de apresentação, mostrando o que foi feito na Adhemar. A Andrômeda é uma avenida muito extensa e não queremos deixar ninguém de fora”, disse o coordenador do projeto Fala Empresário, Mauricio Cury.

O processo de apresentação do projeto irá até abril, para que depois haja a definição das diretrizes da campanha pelos próprios lojistas. “O projeto irá melhorar o desempenho entre eles (lojistas), por meio de um network (rede de relacionamentos no trabalho”, afirmou.

Os comerciantes da Andrômeda esperam a chegada da campanha para sugerir melhorias, além de ações promocionais. A intenção é, assim como ocorreu na Adhemar, utilizar o programa da ACI como ponte para obter mudanças na infraestrutura da região da avenida.

“O maior problema é o estacionamento. Perdemos clientes pela falta de vagas. Até para descarregar produtos de fornecedor temos problemas”, disse a proprietária de um restaurante da Andrômeda, Maria Socorro Gomes, 57 anos.

O mesmo problema foi identificado pelo dono de uma loja de artigos de vestuário Eder Henrique Demacena, 25 anos. “Não há onde parar. Outro problema da avenida é a questão da segurança. Sempre ficamos sabendo de alguém que foi assaltado”, disse.

Para Demacena, o policiamento deveria ser intensificado na região depois das 17h. O coordenador do projeto ressalta que o grande beneficiado da ação será o consumidor acostumado a adquirir na zona sul. “Para o consumidor, o projeto será ótimo. A Andrômeda terá um mix de produtos e serviços com preços atrativos, pois cada loja terá ou um desconto geral ou um produto em oferta. A campanha se mostrou muito eficiente da Adhemar”, afirmou.

O Vale

Revitalização no Polo comercial da Andrômeda

A avenida Andrômeda, uma das principais vias da zona sul de São José dos Campos, será a próxima a receber o projeto Fala Empresário, da ACI (Associação Comercial e Industrial), que tem como objetivo fomentar negócios ao longo dos principais corredores comerciais da cidade.

O projeto será batizado de ‘Andrômeda Mais’ e deve terminar de ser formatado no início de 2012. A avenida conta com 70 sócios da Associação Comercial, que estão automaticamente incluídos no processo de revitalização. A intenção da entidade é aumentar o número de participantes no projeto para, pelo menos, 200 comerciantes atualmente, a via tem mais de 1.000 lojistas.

“Esperamos iniciar o projeto entre fevereiro e março. Agora, os comerciantes estão focados no Natal e esse é um projeto que exige dedicação muito grande dos empresários”, disse Mauricio Cury, coordenador do projeto Fala Empresário.

A primeira etapa da atividade será coletar sugestões e ideias dos lojistas. Posteriormente, os comerciantes serão reunidos para avançar a discussão dos projetos mais interessantes. “Geralmente, todo mundo tem uma ideia diferente. Por isso, a reunião é fundamental”, disse Mauricio Cury. Os comerciantes da Andrô-meda aguardam pela forma-tação do projeto já com sugestões de melhorias.

Uma das principais reclamações é quanto ao trânsito da avenida e a dificuldade de estacionar ao longo do horário comercial. “É muito difícil parar mesmo fora do horário de pico. A gente acaba tendo que estacionar nas ruas de trás, o que não é tão seguro”, disse a consultora de vendas Alessandra Campos, 39 anos, moradora da zona sul de São José.

Ela afirma que gostaria de ver a avenida como a Nove de Julho, uma das principais da região central. “Faltam opções de lazer, como restaurantes bons, bares e outros locais voltados para diversão”, disse. A falta de vagas para estacionar também foi lembrada pela vendedora da loja Festas e Enfeites, Mabele Alves dos Santos, 29 anos.

“Como não há vaga, as pessoas bloqueam a entrada das lojas e vão embora. Já chamamos até guincho e nada resolve o problema”, disse. A proprietária da agência de viagens Asas Brasil, Gláucia Krugner, 41 anos, aponta que o crescimento da região trouxe problemas de infraestrutura ao local.

“A fiação é muito carregada. Os aparelhos puxam energia causando variação de eletricidade pois está tudo sobrecarregado. O desenvolvimento da região foi fora do normal”, afirma Gláucia. Outras sugestões dos comerciantes foram a implantação do sistema de internet sem fio, reforço do policiamento e instalação de redutores de velocidade, principalmente no trecho mais distante ao Vale Sul Shopping.

 O Vale