Untitled-7 Política
Publicado em 12/11/2012 às 09:17

Campanha de Vereadores tem valor elevado na cidade

Os gastos oficiais com a campanha de vereador em São José cresceram até 280% nessa eleição em comparação com 2008. De olho na manutenção da estrutura de poder na Câmara, os 20 vereadores que disputaram a reeleição multiplicaram o custo do voto.

O maior salto nos gastos de campanha foi de Robertinho da Padaria (PPS). Em 2008, ele foi o mais candidato mais bem votado, com 7.318 votos, e declarou gasto de R$ 11.473 à Justiça Eleitoral. Dividindo as despesas de campanha pelo número votos, cada voto de Robertinho custou R$ 1,56.

Este ano, Robertinho gastou R$ 43.807 mil na campanha e obteve 4.920 votos. Os gastos de campanha aumentaram 280% e o custo de cada voto saltou para R$ 8,90. Robertinho disse que na última campanha não teve doadores e investiu seus próprios recursos. O vereador do PPS atribuiu ao aumento do número de candidatos em sua base eleitoral, na região sul, e à elevação do custo do material de campanha a dificuldade para manter a votação este ano.

Presidente do PT, Wagner Balieiro registrou a segunda maior variação nos gastos de campanha, de R$ 67.552 em 2008 para R$ 109.412 este ano aumento de 61,9%. Ao contrário de Robertinho, Balieiro conseguiu ampliar sua votação e se tornou o candidato mais bem votado à Câmara em 2012, com 9.420 votos. Balieiro disse que o aumento nos gastos foi uma consequência natural da ampliação de sua atuação política. Ele também contou com a ajuda do comitê financeiro do PT para reforçar suas receitas na reta final de campanha.

No início da campanha, dirigentes dos partidos estimavam que fosse necessário um investimento de R$ 70 mil para garantir a manutenção de uma vaga na Câmara. Cinco vereadores ultrapassaram esse limite Amélia Naomi (R$ 117 mil), Wagner Balieiro ( R$ 109 mil), Renata Paiva (R$ 96 mil), Angela Guadagnin (R$ 91 mil) e Alexandre da Farmácia (R$ 88 mil) e Macedo Bastos (R$ 87 mil).

Renata Paiva disse que a evolução de 32,6% nos seus gastos de campanha foi apenas atualização monetária. “Com uma ressalva que, em 2102, com praticamente o mesmo valor, tive evolução positiva do aumento dos votos, fruto de um trabalho responsável.”

Apenas seis vereadores não conseguiram se reeleger. Barrado nas urnas, o vereador Miranda Ueb (PPS) declarou gasto de R$ 12 mil, uma queda de 33%. “Só consegui levar minha mensagem para os eleitores na zona norte, porque o recurso era pouco. Além disso, promessas não cumpridas pelo atual governo dificultaram a reeleição, como a regularização dos bairros.”

O Vale

Publicado em: 12/11/2012