Greve dos bancos faz lotérica registrar procura 30% maior

A greve dos bancários, que completa hoje 13 dias, provocou aumento em torno de 30% no movimento em lotéricas na região, segundo empresários do setor. O índice é o mesmo verificado por lotéricos no final do ano, quando é sorteada a Mega-Sena da Virada, que pagou, em 31 de dezembro de 2012, um prêmio recorde de R$ 244,7 milhões. “Acredito que a procura pelos serviços bancários cresceu 30% desde a última semana, quando intensificou a greve dos bancos”, disse José Carlos Santos, gerente de uma lotérica em Guaratinguetá. A Caixa Econômica Federal não tem números fechados sobre o movimento nas lotéricas. Em nota, o banco confirmou que cresceu a procura por serviços bancários nas lotéricas e também nos CCAs (Correspondentes Caixa Aqui), internet banking e nos caixas eletrônicos.

Na RMVale, atualmente, há em operação 172 lotéricas, sendo 51 em São José dos Campos, 21 em Taubaté e 14 em Jacareí. Há também 213 CCAs em toda a região. As lotéricas e todos os correspondentes e lojas que possuem a marca “Caixa Aqui” recebem contas de água, luz, tributos, bloquetos de cobrança, prestação de habitação, saques de contas correntes e pagam benefícios sociais como bolsa família, seguro desemprego e FGTS, entre outros serviços. De acordo com levantamento de sindicatos, o número de agências fechadas ontem, na região, manteve o índice da última sexta-feira, de 133 agências. O movimento já havia atingido 177 unidades no início da semana passada.

O banco Santander conseguiu uma liminar na Justiça que impede a continuidade da greve. Nos outros bancos, porém, a paralisação continua. “Continuamos aguardando uma evolução nas negociações com os bancos. Por enquanto, a greve vai continuar”, disse Maria de Lourdes de Oliveira, presidente do Sindicato dos Bancários de São José. “A proposta apresentada pelos banqueiros é muito ruim. Não aceitamos esse índice de 6,1%, já que os balanços mostram que os lucros são crescentes nas empresas”, afirmou, em nota, Carlinhos Casé, presidente do Sindicato dos Bancários de Taubaté. As sindicalistas da região acompanham diariamente as diretrizes do Comando Nacional, que administra o movimento grevista em todo país. Em nota, Juvandia Moreira, presidente do Sindicato dos Bancários de São Paulo, disse que os bancos “não retomaram as negociações até agora porque não querem”.